quarta-feira, 14 de junho de 2017

Avanço no Futuro do Tratamento da Esclerose Múltipla

Para entender este texto, é bom ler sobre tunelamento quântico na Wikipédia. Lá tem um vídeo bem bonito que mostra como o aparelho é capaz de determinar a posição dos átomos.

Fora isto, posso dizer que, com avanços como estes, o pessoal da EM tem motivos para ficar feliz porque estão pesquisando como rastrear a fundo a EM e descobrir onde ela originou e como fazê-la estacionar sem prejudicar o corpo como os remédios atuais fazem.


Pesquisadores usa pontos quânticos para decifrar  ferramentas de desenho para novas terapias voltadas para Esclerose Múltipla. Tradução por mim, Lorena.

Pesquisadores na Universidade de Maryland (UMD) Fischell Departamento de Bioengenharia e Laboratório de Jewell estão usando pontos quânticos- pequeno semicondutor de partículas comumente usadas em nanotecnologia- para decifrar as características necessárias para desenhar/desenvolver terapias específicas eficientes para esclerose múltipla e outras doenças autoimunes. Os achados foram publicados esta semana como história de capa de Materiais Funcionais Avançados.

"Tecnologias de engenharia voltadas para doenças autoimunes poderiam pavimentar o caminho para novas opções de tratamento", disse o investigador principal e professor-assistente de Bioengenharia, Christopher Jewell. "Entretanto, a fim de desenvolver terapias para a próxima geração, bioengenheiros precisam de discernimento básico das características específicas que são importantes para o desenvolvimento/desenho da terapia.

Geralmente, porque o corpo humano é tão complexo, descobertas na medicina foram depender de tentativas-e-erros. Mas ao usar abordagens racionais de desenho - entendendo o que cada peça de um potencial controle terapêutico - nós temos a possibilidade de transformar a forma como a doença é abordada. Em direção a este gol, nosso time usou pontos quânticos para dissecar alguns das caraterísticas importantes do design para a nanoterapia voltada para a Esclerose Múltipla.

Na Esclerose Múltipla, o sistema imune reconhece os componentes do sistema nervoso central incorretamente , causando inflamação e destruição da mielina, a substância gordurosa que cerca e protege as fibras nervosas. Quando isto acontece, as fibras nervosas e celulares são danificadas, levando à perda da função motora e outras complicações. A Sociedade Nacional de Esclerose Múltipla estima que a EM afete 2,3 milhões de pessoas no mundo todo.

"Os sintomas podem variar enormemente de paciente a paciente, mas pode provocar fadiga extrema, cansaço muscular e espasticidade e dor considerável", diz a estudante graduada de Bioengenharia Krystina Hess e autora principal do jornal " Advanced Functional Materials", Materiais Funcionais Avançados. Atualmente, não há cura para Esclerose Múltipla e as terapias tradicionais diminuem amplamente a atividade do sistema imune a um custo que deixa os pacientes de Esclerose Múltipla vulneráveis à infecção."

Uma estratégia promissora para superar estes obstáculos é a geração das células que são conhecidas como T regulatórias, que são o tipo de células brancas conhecidas por desligar respostas imunológicas no corpo. Essas células são capazes de restringir a resposta inflamatória contra a mielina que ocorre na Esclerose Múltipla (EM), enquanto mantém intactas funções saudáveis do sistema imunológico.

No corpo humano o sistema imune usa antígenos- moléculas que estão presentes em todas as células e variam de acordo com o tipo de célula para distinguir células-próprias de células invasoras. O sistema imune reconhece específicos tipos de antígenos como aqueles mostrados por células humanas e por isso ele pode  rapidamente ativar uma resposta imune , ao detectar uma célula estranha como bactérias, vírus e toxinas.

Recentes estudos voltados aos tratamentos específicos para Esclerose Múltipla revelaram que o desenvolvimento de inflamação ou tolerância contra moléculas próprias é influenciado pela concentração e forma dos antígenos que alcançam o tecido que coordena a função imune - nomeadamente os gânglios linfáticos e o baço. Mais ainda, os novos estudos revelam que mudar a forma que a mielina é processada e apresentada ao sistema imune pode levar à tolerância em vez de inflamação.

Sabendo disso, Jewell montou equipe com o Dr. Igor Medintz e seus colegas do Laboratório de Pesquisa Naval Americano para desenvolver um sistema preciso que use pontos quânticos para controlar quantos pontos de autoantígenos são mostrados em cada ponto. Um motivo pelo qual Jewell e sua equipe confiaram em pontos quânticos é porque eles são uniformes e bem pequenos, permitindo uma drenagem eficiente através de vasos linfáticos e acúmulo nos gânglios linfáticos.

Pontos quânticos são também fluorescentes, o que permite rastreamento em tempo real em células e animais. A hipótese da equipe é que, ao usar pontos quânticos mostrando a densidade definida de peptídeos de mielina, eles poderiam revelar como o número ou densidade dos peptídeos alteram o processamento e tráfico dos peptídeos e, por sua vez, requerer  T-regulatórias que controlam a doença.

"Um dos nossos achados animadores é que a tolerância e eliminação da paralisia em modelos de ratos pré-clínicos foi muito melhor quando os peptídeos de mielina foram exibidos em muitos pontos quânticos a uma baixa densidade de 25 por ponto, em vez de poucos pontos quânticos exibindo o mesmo número de pontos quânticos mas a uma densidade alta de 65 por ponto", disse Jewel. "Desenvolver conhecimento específico ou desenhar diretrizes como estas podem permitir terapias mais seletivas - e efetivas- para tratar a esclerose múltipla e outras doenças.

http://www.news-medical.net/news/20170614/Researchers-use-quantum-dots-to-decipher-design-features-for-new-therapies-aimed-at-MS.aspx